sábado, 14 de fevereiro de 2009

Sampa

"Primeiro estranha-se, depois entranha-se"... em poucas cidades do mundo senti tão verdadeira a apreciação que Pessoa terá feito da Coca-Cola como em S.Paulo. É uma cidade, a todos os títulos, fascinante, com uma "vibração" única e uma oferta cultural e gastronómica verdadeiramente excepcional. De facto, o "melting pot" decorrente do fortíssimos fluxo migratório (portugueses, italianos, japoneses, libaneses, sírios, egípcios, cariocas, nordestinos, gaúchos, etc...) foi fazendo de S. Paulo uma cidade gigante , com problemas insolúveis e uma beleza pouco "ortodoxa" mas muitíssimo cativante para o cidadão cosmopolita. Acho que tem razão Caetano Veloso quando diz que Rita Lee é a sua (da cidade) mais completa tradução.
O grande problema da minha viagem é que as alternativas para almoçar e jantar eram muitas e o calendário demasiado curto para poder experimentar todos os "musts" que me tinham indicado (o que teve a vantagem de me obrigar a regressar em breve...).
O ponto alto desta estadia foi um dos ícones da restauração/hotelaria paulistana: o mítico Fasano. Tive oportunidade de jantar na "casa-mãe" do maior império da restauração de qualidade de S.Paulo, o restaurante sito no piso térreo do Hotel com o mesmo nome (cuja morada é, curiosamente ou não, a Rua Vittorio Fasano).



O Fasano é, antes de mais, um espaço deslumbrante, com uma arquitectura "limpa" e uma decoração muito sofisticada, que envolve a sala do restaurante num luxo descontraído e muito agradável.
O serviço é absolutamente impecável, num misto de simpatia brasileira com eficiência norte-americana, presente quando é necessário mas sem a insitência "chata" da marcação "homem-a-homem" que tantas vezes acontece.
A cozinha é, naturalmente, italiana, da autoria do Chef Salvatore Loi (natural da Sardegna) e consegue surpreender pelo interessantíssimo equilíbrio entre uma marcada fidelidade à cozinha tradicional de diversas regiões de Itália e subtis toques de inovação e modernidade, mais evidentes na apresentação e combinação dos pratos do que na construção das receitas e utilização dos ingredientes. O resultado é muitíssimo bom.

1 comentário:

JLP disse...

que saudades de sampa!